Foco especial! 10 bons motivos para você sentir raiva - artigo de Patrícia Santos


Foto: mundopsicologos


Patrícia Santos, especialista em gerenciamento da raiva


Sabemos que a raiva tem uma reputação negativa quando comparada a outras emoções e a causa pode estar nas crenças, bem como na manifestação óbvia de seus resultados quase sempre destrutivos, como agressão e violência. De fato, muitos acreditam que estaríamos melhores se a raiva não existisse. O que precisa ser entendido, no entanto, é que todas as emoções são apropriadas em determinadas circunstâncias, quando experimentadas em um nível ideal.

A raiva não é apenas uma reação agressiva, muitas vezes o seu papel principal é, na verdade, fornecer informações que permitam interagir melhor com o mundo e com nós mesmos. Até a raiva pode ter qualidades valiosas e, quando identificada ainda na intensidade leve à moderada, pode ajudar a melhorar a nossa vida e o mundo ao nosso redor. Listei aqui, portanto, dez bons motivos para sentirmos raiva e percebermos como ela pode ser benéfica, quando administrada de forma apropriada. São eles:

1. Ela promove a sobrevivência

Para que possamos nos defender de um inimigo, de um perigo, nos proteger contra uma agressão. Nesses momentos, a raiva é ativada automaticamente e, de forma muito positiva e na medida certa, pode nos levar a reagir e a agir com rapidez e força para nos proteger.

2. Conscientiza sobre a injustiça

Muitas vezes, sentimos raiva quando nos negam direitos ou quando somos confrontados com insultos, desrespeito, injustiça ou exploração. Esse tipo de raiva pode trazer mudanças positivas na sociedade e aumentar o custo social do mau comportamento.

3. Auxilia a satisfazer suas necessidades

Os indivíduos que experimentam e demonstram sua raiva adequadamente estão em uma posição melhor para satisfazer suas necessidades e controlar seu destino, muito diferente daqueles que acabam suprimindo sua raiva. A raiva está relacionada a uma profunda necessidade de controle e protege o que é nosso. Ajuda- a sentir-se responsável, ao invés de impotente.

4.  Energiza e motiva a resolver problemas

Nas situações do dia a dia, a raiva serve como uma força positiva para motivar a defender o que acreditamos e encontrar, de forma criativa, soluções para os desafios e problemas do cotidiano. Se as coisas não estão do jeito que deveriam estar e precisam mudar, a raiva impulsiona a fazer algo e motiva a encontrar soluções rapidamente.

5. Ajuda a conquistar metas

A raiva impulsiona a buscar os objetivos e as recompensas desejadas. Quando não conseguimos o que queremos, a raiva é desencadeada e indica que nos afastamos de nossas metas. A raiva tenta eliminar o que impede de realizar nossos desejos, mas, isso é algo que energiza e nos leva a agir para alcançar nossos objetivos, trabalhando em direção aos ideais. Surpreendentemente, injeta otimismo.

6. Protege valores e crenças

A raiva serve como um indicador e regulador social e pessoal de valor, que é ativado quando nossos valores não estão em harmonia com aquela situação que enfrentamos. Dessa forma, nos conscientiza de nossas crenças profundas e do que defendemos. Também motiva a corrigir as discrepâncias e a tomar medidas para mudar a situação (ou crenças) para alinhar a realidade que enfrentamos com nossos valores.

7. É uma excelente ferramenta de negociação

A raiva leva a responder aos conflitos e negociações em benefício próprio. Isso faz com que outras pessoas repensem suas posições contra aquilo que estamos defendendo no momento.

8. Proteção para sentimentos dolorosos

Semelhante aos mecanismos de defesa, ela também serve para proteger de uma dor, de uma situação, de um sentimento como, por exemplo, ter sido rejeitado, abandonado, não amado; coisas que são consideradas quase que insuportáveis.

9. Coloca limites

A raiva ajuda você a descobrir seus limites e comunicá-los.

10. Autoconhecimento

A raiva fornece insights sobre si mesmo, quando há um aprofundamento para entender a sua fonte. Também é um eficaz indicador sobre falhas e deficiências. Se analisada de forma construtiva, as atitudes durante as fortes emoções e períodos de irritabilidade, podem levar a resultados positivos, melhorando a inteligência emocional.

Portanto, da próxima vez que você sentir que está ficando com raiva, pergunte-se o que ela pode estar lhe mostrando e faça o movimento sem violência para tentar contornar a situação.




Sobre Patrícia Santos

Consultora, escritora e palestrante, docente em cursos de pós-graduação em diversas instituições pelo país. É especialista em Anger Management (Gerenciamento da Raiva), pela National Anger Management Association – NAMA de Nova Iorque, EUA, onde também é fellow. É coautora do livro “Raiva, quem não tem?”. A obra é um verdadeiro crossfitemocional que não só discorre sobre o tema, mas também ensina o leitor a medir, encarar, transformar e a seguir em frente.

17 visualizações
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon