Foco especial! Homenagem Genival Lacerda 1931 -2021


Por Gustavo Dourado -Poeta


Adeus, Genival Lacerda

Grã cantor e compositor

Aos oitenta e nove anos

Nos deixou paz e amor

Na quinta-feira, dia sete

Ficou a marca do humor


Genival era paraibano

Fez grandes hits do forró

A “Severina xique-xique”

Que desata qualquer nó

“De quem é esse jegue?”

Viva o nosso forrobodó


Era ano um,nove,três,um

Deu-se o seu nascimento

Na bela Campina Grande

Ritmou bom movimento

Veio ao mundo pra cantar

Na dança do sentimento


Era medalhão do forró

Assim ele se declarou

Ao Jackson do Pandeiro

Genival sempre admirou

Era amigo e concunhado

Que o artista muito amou


Com o “Radinho de pilha”

Pôs o mundo pra dançar

Artista bem-humorado

Sorridente a balançar

Andou por todo o Brasil

Para o forró apresentar


Na Cidade Maravilhosa

Em diversas casas tocou

Com o bom forró na noite

O seu Nordeste propagou

Cantor,bom acordeonista

O seu nome se destacou


LP “Aqui tem catimberê”

Milhares de cópia vendeu

E “Severina xique-xique”

O maior sucesso seu

Com o João Gonçalves

Boa parceria concebeu


Foi oortador da alegria

Escracho e bom-humor

Gostava dum sapateado

Com o seu ritmo criador

Genival Lacerda sempre

Cultivars a paz e o amor


Teve a carreira bem longa

Com ampla diversidade

Pelas avenidas de Recife

Viveu sua multiplicidade

Transmitiu paz e alegria

Com versos de liberdade


Doc “O rei da munganga”

A vida em documentário

Filmou a obra de Genival

O seu Perpétuo Lunário

Um nordestino arretado

Cabra multiatitudinário


Foi no ano dois mil e oito

Que o filme foi lançado

Direção de Carolina Paiva

Muito bem documentado

Elba e Dominguinhos

Deixaram o seu recado


Lançou setenta discos

Ao longo de sua carreira

Por onde Genival tocava

Acabava a pasmaceira

No forrô, xotee xaxado

Ele fazia uma bagaceira...

11 visualizações0 comentário
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon