FOCO ESPECIAL! PARA O DIA MUNDIAL DO REFUGIADO! CONHEÇA O PROJETO "Acolhidos por meio do trabalho"




A venezuelana Deliana Maria foi interiorizada para trabalhar em uma indústria na Bahia (Divulgação AVSI Brasil)



Postado por Silvana Scórsin em 16.06.2020.


ESPECIAL DIA MUNDIAL DO REFUGIADO

Projeto promove autonomia financeira para migrantes e refugiados no Brasil A ONG - AVSI Brasil (Associação Voluntários para o Serviço Internacional) realiza interiorizações de venezuelanos e de suas famílias a partir de uma oportunidade de emprego junto a empresas privadas no país.


Sair do país de origem por falta de perspectivas financeiras. Essa foi a realidade de milhares de pessoas, principalmente a partir de 2018, com a acentuada crise pela qual passa a Venezuela. Segundo o Comitê Nacional para Refugiados (Conare), a situação política e econômica enfrentada pelo país foi reconhecida pela comunidade internacional como uma crise humanitária – pela grave e generalizada violação de direitos humanos.

Desde então muitas famílias recorreram aos países mais próximos, como Colômbia, Peru e Equador. O Brasil também foi o destino de muitos migrantes e solicitantes de refúgio nos últimos anos. Dados do Conare apontam que aproximadamente 43 mil pessoas vivem no Brasil na condição de refugiado. Deste número, cerca de 38 mil são venezuelanos.

Nos últimos anos, a principal entrada para milhares de venezuelanos no Brasil foi pela fronteira com Pacaraima (RR), seguindo depois para a capital Boa Vista, o que motivou um acúmulo de pessoas abrigadas na região. Apesar da fronteira com o país vizinho ter sido fechada em março deste ano, por conta da pandemia do novo coronavírus, milhares de famílias ainda seguem nos abrigos de Roraima na esperança de conseguir alguma oportunidade no Brasil.




Abrigo Rondon 3, Boa Vista, Roraima (Fabiana A. Vieira/AVSI Brasil)



A AVSI Brasil (Associação Voluntários para o Serviço Internacional) é uma das instituições que atua em Roraima. Responsável pela gestão de oito dos 13 atuais abrigos que acomodam os migrantes e solicitantes de refúgio, a ONG visa fortalecer as ações da Operação Acolhida, força-tarefa humanitária liderada pelo governo brasileiro e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).Atualmente, cerca de cinco mil pessoas continuam nesses abrigos em Boa Vista. Aproximadamente metade desta população é composta por crianças.



Aproximadamente metade da população abrigada em Boa Vista é composta por crianças (Fabiana A. Vieira/AVSI Brasil)


Incentivo por meio do trabalho

Desde outubro de 2019, a AVSI Brasil implementa o projeto Acolhidos por meio do trabalho, que visa apoiar a integração socioeconômica de venezuelanos no Brasil. A iniciativa facilita a interiorização de migrantes e refugiados que estão nos centros de acolhimento em Roraima para outras cidades brasileiras, onde há oportunidades de trabalho. A ONG auxilia na seleção dos candidatos à vaga de emprego, disponibiliza até três meses de moradia para os selecionados e suas famílias, além de fornecer assistência social nos municípios de destino no intuito de facilitar a adaptação dos venezuelanos junto à população local.

“Nós acreditamos que uma oportunidade de trabalho é principal ferramenta para apoiar essas pessoas a se tornarem protagonistas do seu próprio desenvolvimento. Depois de todo o apoio oferecido na acolhida em Roraima, entendemos que é importante ajuda-las a retomar uma perspectiva de futuro, por meio do acesso ao mercado formal e renda, fatores importantes na integração da população venezuelana no Brasil. Nosso projeto, além de facilitar contratações de venezuelanos, também incentiva a interiorização do grupo familiar, uma vez que é um grande facilitador para que a pessoa contratada permaneça no emprego e se adapte mais rapidamente na nova comunidade”, explica Thais Braga, gerente especial do projeto na AVSI Brasil.

Resultados positivos

A ONG comemora os resultados alcançados a partir do primeiro grupo interiorizado pelo projeto neste ano. Em fevereiro, uma ação conjunta entre a AVSI Brasil e o Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados (SJMR) garantiu a interiorização de 86 venezuelanos a cidade de Seara (SC). 67 deles foram exclusivamente para trabalhar em uma indústria local, e 19 foram acompanhantes familiares. “Foi o primeiro grupo interiorizado pelo projeto e estamos satisfeitos com o resultado. Passados os três primeiros meses de experiência no novo trabalho, a adaptação dos venezuelanos foi cem por cento positiva. Todos já saíram da acomodação temporária oferecida no projeto e conseguiram alugar as suas casas a partir do seu novo salário. As famílias estão bem adaptadas e tem planos para o futuro”, explica Thais.



Chegada de venezuelanos contratados e suas famílias no aeroporto de Chapecó (SC) (Divulgação AVSI Brasil)


É o caso da família de Annis Josefina, 43. Há dois anos, ela e o marido decidiram sair da Venezuela e migrar para o Brasil com os dois filhos solteiros. Nesta época o marido trabalhava na Venezuela, mas com a crise no país, a situação econômica da família ficou muito prejudicada e o que ele recebia não permitia mais o sustento da família.

No início do ano, Richard e o filho Wilmer foram selecionados para uma nova oportunidade de trabalho na cidade de Seara (SC) e a família foi interiorizada através do Acolhidos por meio do trabalho. A partir daí a família foi alcançando novas conquistas. Passados o período de experiência na empresa, Richard conseguiu alugar uma casa e com as economias, a família comprou uma passagem para o filho mais velho, que havia ficado em Roraima com a esposa e duas filhas. “A próxima meta agora é garantir as passagens para a nora e as netas”, explica Annis.



Annis, em pé, ao lado da filha Ridmary. Abaixo, seu filho Wilmer, a nora Brancelis com a netinha Brannielys Michelle, de seis meses, ao lado do filho Ronny e a neta Ronnielys Maribel no colo. Richard, o avô da família, foi quem registrou o momento com todos juntos em Roraima

Como funciona o projeto

A partir de um contato com empresas do país, a AVSI Brasil identifica os perfis e posições abertas, de acordo com a disponibilidade das organizações. Em seguida a ONG cruza essas informações com os dados mantidos no sistema cadastral do Exército Brasileiro e dos abrigos de Boa Vista e pré-seleciona potenciais candidatos para a vaga que estejam interessados em serem interiorizados para outras cidades. Uma lista de currículos é gerada e enviada para que a empresa faça uma avaliação dos candidatos. A seleção para a realização de uma entrevista é realizada pela empresa, seguindo seu fluxo normal e de acordo com a sua política de recrutamento. Confirmada uma entrevista de emprego, a AVSI Brasil facilita o diálogo entre empresa e candidato, que pode ser realizado presencialmente, em Roraima, ou por meio digital. Com as condições de trabalho e remuneração já apresentadas para os candidatos, os selecionados são encaminhados pela ONG para a realização de exame psicológico e admissional em Roraima que também fica responsável pelo encaminhamento dos venezuelanos para a localidade da empresa, com o apoio do Exército Brasileiro. Depois da interiorização a ONG administra um atendimento social da localidade, com a presença de um assistente social que fará o acompanhamento das famílias por um período de até três meses, além de conceder benefícios como habitação e assistência-alimentação.

· Apoio às empresas no processo de recrutamento e seleção;

· Viabilização do deslocamento dos venezuelanos contratados e suas famílias, desde Roraima até as cidades de destino, com o apoio da Operação Acolhida;

· Moradia e ajuda de custo para a pessoa contratada e sua família por um período de até três meses;

· Acompanhamento social para as famílias nas cidades de destino;

· Capacitação profissional vinculada ao mercado de trabalho.


Acolhidos por meio do trabalho é um projeto implementado pela AVSI Brasil e Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH), com o envolvimento da Fundação AVSI e AVSI-USA e financiado pelo Departamento de População, Refugiados e Migração (PRM) do Governo dos Estados Unidos. O projeto também é destinado para pessoas brasileiras em situação de vulnerabilidade social. Atualmente 86 pessoas já foram interiorizadas através do projeto. A estimativa é que cerca de 5 mil venezuelanos sejam beneficiados diretamente, em dois anos, já que o projeto prevê que o venezuelano contratado esteja acompanhado de sua família.

Entre as principais ações, o Acolhidos por meio do trabalho prevê a colocação no mercado de trabalho e interiorização de venezuelanos adultos com suas famílias, além da colocação no mercado de trabalho de brasileiros em situação de vulnerabilidade social; e cursos preparatórios vinculados ao mercado de trabalho e de língua portuguesa e formação em direitos e deveres laborais, entre outros aspectos.


Lembrando:


Migrante: as pessoas que mudam de uma região para a outra, dentro do mesmo país

Imigrante: pessoas que optaram por viver no exterior principalmente por motivos econômicos ou educacionais, podendo voltar com segurança ao seu país de origem quando desejarem

Refugiado: pessoas que deixam o seu país por sofrer ameaças e/ou perseguições relacionadas a questões de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou político ou à grave e generalizada violação de direitos humanos e conflitos armados

19 de junho – Dia Nacional do Migrante

20 de junho – Dia Mundial do Refugiado

25 de junho – Dia Nacional do Imigrante


Fonte: Fabiana Aparecida Vieira - Comunicação

www.avsibrasil.org.br • www.avsi.org

6 visualizações
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon