Foco especial! Semana Nacional da Criança Excepcional: Branca Oliveira do projeto “Saúde é Mais”


Postado por Silvana Scórsin do portal de guaranyjunior.com.br


De 21 a 28 de agosto é celebrada a Semana Nacional da Criança Excepcional que, instituída desde 1964, sensibiliza a sociedade e instituições sobre os direitos fundamentais da criança especial. Em Belém é uma semana muito comemorada pelo projeto “Saúde é Mais”, da fonoaudióloga Branca Oliveira.

Pós-graduada em saúde pública, especializada em disfagia, empresária no setor ambiental e ativista, Branca é casada e tem 3 filhos, sendo que sua filha do meio, a pequena Vitória, é portadora da Trissomia 21 (chamada de Síndrome de Down) e inspirou Branca a criar o projeto Saúde é Mais.

O projeto teve inicio no final de 2009, com o objetivo de levar ações e auxílio de saúde, educação, trabalho e cidadania a todos que precisam. Nessa semana, o Saúde é Mais pretende ressaltar a necessidade de refletir sobre o dever da igualdade para inclusão.

Leia a entrevista de Branca de Oliveira concedida ao portal de guaranyjunior.com.br:

1- Como surgiu o projeto Saúde É Mais? R- Tudo começou no final de 2009, com um grupo amigos da minha igreja, onde nós doávamos cestas básicas, roupas e brinquedos na época do Natal, também era realizado cultos e estudos bíblicos. Com isso, a demanda foi aumentando a cada data comemorativa e passamos a fazer essas ações em maior quantidade e também o sopão que acontece todos os dias. Até que há quase 2 anos tivemos a ideia de dar o nome do projeto de Saúde é Mais, porque a saúde também está atrelada a educação, a sustentabilidade, a trabalho e a inclusão.

2- Quais serviços fazem parte da ação? R- Hoje nós levamos nas ações pediatras, clínico geral, ortopedista, psicóloga, técnicas de enfermagem e enfermeiras que fazem aferição de pressão, teste de glicemia e teste de HIV; falamos sobre os cuidados e a importância de promover a saúde; damos assistência jurídica e de documentos; e levamos atividades recreativas e brindes para as crianças. Levamos também corte de cabelo, design de sombrancelha, limpeza de pele onde damos preferência aos profissionais do bairro para que divulguem seu trabalho, e por fim temos massoterapia.

Nessa época de pandemia, nós oferecemos 300 bolsas de cursinho preparatório para o Enem, em parceria com a EducaFlix na plataforma EAD; doamos 6 mil kits com álcool em gel e máscaras; e agora estamos com bolsas de cursos profissionalizantes, presencial e EAD.

Por fim, sempre doamos cestas básicas; ajudamos na marcação de exames, cirurgias e conseguindo leitos; atuamos com idosos e com instituições de crianças com câncer; e temos professores que dão aulas de dança.

3- Qual foi sua motivação para este projeto? R- Eu aprendi, desde pequena, sobre a necessidade de ajudar os outros. Eu cresci em um lar adventista e com isso fui aventureira, desbravadora, sempre aprendendo a olhar o próximo. Cresci vendo a minha mãe trabalhando, construindo igreja e cuidando de crianças. Sempre trabalhamos de forma voluntária.

Tenho três filhos; um de oito anos, uma de seis e uma de 1 ano e oito meses, sendo que a minha filha do meio, a Vitória, tem síndrome de Down. Através dela, esse meu lado do olhar diferente para as pessoas se aflorou ainda mais. Eu me dedico ao assistencialismo e, principalmente, a inclusão das pessoas. Sou uma grande apoiadora e ativista.

4- Quantas pessoas já foram atendidas desde o início do projeto e os bairros onde acontece? R- O projeto atendeu mais de 15 mil pessoas entre 2010 e 2019, nos bairros do Jurunas, Terra Firme, Guamá, Parque Verde, Cabanagem, Tapanã, Cidade Velha, Bengui, em Icoaraci, entre outros distritos. Chegamos a atender 700 pessoas em uma única ação. Só na pandemia, nós distribuímos 6 mil kits com máscaras e álcool em gel.

5- Qual a importância de engajar a sociedade nos projetos de voluntariado? R- É importante engajar a sociedade para que ela veja as dificuldades do próximo, a grande quantidade de pessoas no nosso estado passando fome, precisando de atendimento médico, sem educação adequada ou lugar para morar. E principalmente mostrar que é possível ajudarmos o próximo e fazer nossa parte para mudar essa triste realidade. 

6- Para você, no que consiste inclusão e qual a importância disso? R- Consiste na inserção de todos na sociedade. Não só as pessoas com deficiência intelectual e deficiência física, mas também a inclusão de pessoas em escolas de qualidade, no mercado de trabalho e nos serviços de saúde. Além de não excluir ninguém por preconceitos como cor e classe social. É importante respeitarmos as diferenças de cada um e tratarmos todos por iguais.

7- Quais os planos futuros para o projeto? R- Os planos são de expandir; aumentar a quantidade de pessoas atendidas, ter mais profissionais envolvidos, maior variedade de benefícios, levar o projeto para mais municípios. E já estamos realizando esse desejo! Nosso sonho é ter um local físico onde o projeto irá funcionar.

Nos próximos dias 5 e 6 de setembro acontecerá mais uma ação do Saúde é Mais, projeto que foi motivado pelo amor e cresce com a determinação e solidariedade de pessoas de bem, que almejam uma sociedade mais sensível e justa para todos as pessoas. O projeto está de portas abertas para quem quiser ser voluntário e sempre aceita doações de brinquedos e cestas básicas.

Serviço: Para mais informações ou para fazer parte do projeto, siga o perfil do Instagram @projetosaudeemais ou entre em contato pelo telefone (91) 98205-0074.

Acompanhe @brancaoliveirabelem no Instagram e Facebook para conhecer mais a nossa entrevistada de hoje neste portal.

Créditos:

Arte da foto: Savio Melo

30 visualizações
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon